Publicidade

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013 Direto de Miami, Educação, Miami | 15:02

Brasileiro está a um passo de se tornar o melhor professor dos Estados Unidos.

Compartilhe: Twitter

Por Chris Delboni | Coluna Direto de Miami (http://diretodemiami.ig.com.br)
Fotos de Carla Guarilha

O brasileiro Alexandre Lopes foi selecionado um dos quatro finalistas escolhidos entre todos os estados norte-americanos para concorrer ao titulo de “Melhor Professor do Ano” dos EUA.  A decisão sai daqui a três meses.

Os demais candidatos são professores do colegial nas áreas de exatas, inglês e música nos estados de Washington, Maryland e New Hampshire.

O brasileiro, único finalista professor de jardim de infância, desenvolveu um programa de inclusão que já abocanhou os prêmios de “Melhor Professor do Ano” do condado de Miami-Dade, em março, e do estado da Flórida, em julho.

Alexandre Lopes com alguns de seus alunos na escola Carol City Elementary. Foto de Carla Guarilha.

Agora, o petropolitano pode se tornar o maior representante de educação dos Estados Unidos da América.

O prêmio “National Teacher of the Year” ou Melhor Professor do Ano Nacional, foi constituído em 1952 e é o mais tradicional e respeitado na área de educação aqui.

Será entregue ao finalista em abril pelas mãos do Presidente Barack Obama numa cerimônia na Casa Branca, sede do governo americano.

Nesta entrevista exclusiva ao Direto de Miami, Alexandre Lopes conta como conquistou o título estadual, como sua vida mudou no último ano desde que se tornou o “Embaixador da Educação” da Flórida e onde quer chegar.

No vídeo, Alexandre Lopes reflete sobre sua filosofia e missão de vida e conta o que o levou ao título de “Melhor Professor do Ano” da Flórida.

Alexandre Lopes é finalista para Melhor Professor do Ano dos Estados Unidos em 2013 from Chris Delboni on Vimeo.

ENTREVISTA:

Direto de Miami:  Como o título de Melhor Professor do Ano da Flórida transformou sua vida?

Alexandre Lopes: É tanta mudança que é difícil saber por onde começar.  Me tornei um palestrante, e em três meses, já fui o palestrante principal para um público de 300 pessoas em eventos que reúnem estudantes, catedráticos, políticos e pessoas influentes na área de educação, às vezes até mesmo da economia local.  Há menos de um ano, meu público eram meus alunos de 3, 4, 5 anos de idade.  Me surpreende que as pessoas queiram me escutar – escutar o que eu tenho a dizer. Fico feliz de ter me tornado uma pessoa capaz de motivar os outros, de inspirar os outros a encontrarem dentro deles o que eles tem de melhor para o mundo educacional e o mundo em geral.

DM: Qual sua mensagem principal?

AL: Sou um imigrante que vim para os Estados Unidos aos 26 anos de idade, aprendi o inglês, que não é minha língua materna.  Acho que isso tem um poder muito grande, porque fala para os imigrantes deste país, dos Estados Unidos, cujos filhos estão agora também na escola e em busca do sonho americano, fala para os americanos em si que estão educando os filhos de imigrantes. Como imigrante, como latino, ter vencido, é uma mensagem muito importante.

Em sua casa em Miami, com seus troféus ao lado. Foto de Carla Guarilha.

DM: Quem era o Alexandre antes dessa premiação e quem é o Alexandre hoje?

AL: Eu sinto que cresci muito.  O que me deixava feliz era trabalhar com crianças de 3 a 5 anos de idade, num sistema de inclusão total, numa área onde meus alunos eram imigrantes, minorias étnicas e raciais, estudantes com autismo em um sistema sem preconceitos.  Terminei meu mestrado, estava fazendo o doutorado e trabalhava com projetos para desenvolver a qualidade de ensino.  Mas eu não era uma pessoa pública.  Agora represento o Departamento de Educação da Flórida.  O meu título de “Embaixador para Educação” é regido pela lei do estado da Flórida.

DM: O senhor parece lidar muito bem com essa sua nova condição de pessoa pública.  Como chegou intimamente a essa maturidade?

AL: Acho que é importante que as pessoas vejam que eu lutei para chegar onde estou, não só profissionalmente mas como pessoa. Eu fiz um processo terapêutico com a [psicóloga brasileira] Rosane Wechsler aqui em Miami e foi muito bom.  Através de um processo de autoconhecimento, ela fez com que eu deixasse de lado incertezas e inseguranças e tivesse confiança com relação às minhas decisões e vontade de vencer, não só de uma maneira pessoal como também de forma profissional.  Eu aprendi a aceitar minhas diferenças.

DM: Hoje sua voz está transformando muita coisa na área de educação.

AL: Acho que minhas ideias são um pouco inovadoras – mas a maneira pela qual eu as exponho, eu as expresso, faz com que as pessoas não se sintam intimidadas por elas.

Alexandre escorrega com seus alunos no "playground" da escola. Foto de Carla Guarilha.

DM: O que o senhor acha que trouxe na sua trajetória de vida para chegar nesse momento?

AL: Eu vou a luta.  Não gosto de escutar quando as pessoas falam, ‘você é uma pessoa inteligente’.  Você pode ser a pessoa mais inteligente do mundo, mas se você não faz seu dever de casa, você não vai chegar em lugar algum.

DM: Inclusão seria uma palavra para descrevê-lo?

AL: Seria uma inclusão gerada através de uma aceitação social.  Minha luta é de uma aceitação social.  Todas as pessoas tem seu potencial único e que bom que é único.  O que aconteceria se não houvesse polêmica e ideias diferentes das nossas?  Será que cresceríamos? Acho que é isso, uma  aceitação social, total e irrestrita para que as pessoas acreditem em si, gostem de si e cheguem ao seu potencial, seja ele qual for.

A aluna de Alexandre foi correndo lhe dar um abraço assim que o viu. Foto de Carla Guarilha.

DM: E foi isso que os membros do comitê de seleção da Florida viram no senhor e acha que podem ver na decisão final do titulo de professor do ano de todo o país?

AL: Acho que eles viram em mim uma pessoa capaz de inspirar nos outros e de motivar os outros a buscarem o sonho americano através da educação.

DM: E agora?  Qual o futuro do Professor do Ano da Flórida de 2013, e quem sabe dos Estados Unidos?

AL: Já tive convites de filiar-me à universidades, e estou fazendo um malabarismo para terminar o doutorado o mais rápido possível.  Se quiser posso voltar para sala de aula.  Mas não sei se seria exatamente aonde eu faria a maior diferença.  Eu já esperava que no futuro me tornaria um professor universitário, trabalhando com pesquisas e ensinando a outras pessoas o que levou a tornar-me professor do ano.  Me vejo como um mediador de ideias.  Acredito nas minhas ideias mas estou sempre aberto a escutar as ideias dos outros.

DM: Sete palavras para descrever um professor de sucesso:

AL: Eduque-se, informe-se, acredite-se, ame-se, apaixone-se, entregue-se e libere-se.

DM: Qual o segredo do seu sucesso?

AL: Muito esforço, auto-aceitação e amor ao próximo.

Alexandre Lopes na sala de aula durante uma recente visita a escola. Foto de Carla Guarilha.

Para ler a coluna original quando Alexandre Lopes foi escolhido professor do ano de Miami-Dade, clique aqui.

Para acompanhar as atividades de Alexandre no Facebook, clique aqui.

Autor: Tags: , , , , ,

35 comentários | Comentar

  1. 85 marcelo b 22/04/2013 21:52

    Parabens …professor é um dom de Deus… esperamos que no
    brasil tenha esse exemplo de metodo, que é gostar do que faz, tenho um filho autista e é dificil encontrar um professor especial, agradeço pela sua dedição;
    Deus te abençoe

  2. 84 Cezar C. de Souza 11/02/2013 11:36

    Temos professores tão capaz quanto, que desenvolve projetos fantasticos com os mesmos tipos de alunos aqui no Brasil. Será que as autoridades competentes da área chega a ter conhecimento? esse professor… será que tem valor? Eis a diferença.

  3. 83 Dodô Oliveira 01/02/2013 23:37

    Parabéns professor, muito sucesso, sinto muito orgulho por você.

    Um forte abraço.

  4. 82 PAULO SÉRGIO 28/01/2013 11:40

    parabéns por esta indicação,espero que obtenha sucesso e consiga conquistar esse prêmio.
    Nossa classe esta desvalorizada,mas são esses momentos que nos fazem refletir.
    felicidades be sucesso!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  5. 81 simone 25/01/2013 16:54

    São pessoas assim que nos fazem acreditar que o Brasil também pode ser referência na Educação.Quando algum governante ACREDITAR no professor e valorizá-lo teremos ,sim, exemplos como Alexandre.

  6. 80 Deivid 18/01/2013 23:24

    Professor realmente nao ganha bem, mas quando a paixao eh maior que o bolso nao ha justificativas. Eu tive 4 anos de faculdade pra saber o quanto era o piso do professor, quais as dificuldades no estagio, etc. Nao me venham falar que ser professor e ruim, pois quem fala isso simplesmente esta na educacao por interesse. Eu nao trocaria essa profissao por nada. A sala de aula pra mim e o mundo. Quer ganhar mais? Vai pra particular, eles pagam bem la, falo por experiencia propria, mas voce sera muito mais cobrado e vao cobrar RESULTADOS de voce. Nao quer? Fica ai reclamando entao. Tenho 25 anos, dou aula ha 2 e fico horrorizado quando ouco colegas de trabalho justificando a minha empolgacao- E porque voce esta comecando agora- Para mim, nao passam de canalhas da Educacao. Poderia ser melhor? Sim, sempre pode melhorar. Mas isso nunca foi e nunca sera novidade para ninguem. Eu faco do limao a minha limonada, faco o meu dever de casa como disse o professor Alexandre Lopes, que serve como um reforco positivo pra mim.

  7. 79 Deivid 18/01/2013 23:12

    Realmente eh 1 honra ver um brasileiro fazendo a diferenca em outro pais , ainda mais como professor, pois sou professor de ingles aqui no Brasil e sei como e gratificante. Nao reparem a ortografia, o teclado esta sem pontuacao por um problema. Espero que voce ganhe esse titulo.

  8. 78 Solange 18/01/2013 21:12

    Parabéns Professor Alexandre por seu trabalho e suas conquistas! Como professora sinto orgulho de você!
    Grande abraço.

  9. 77 Solange 18/01/2013 21:10

    Parabéns professor Alexandre por seu trabalho e suas conquistas!! Como professora tenho orgulho de seu trabalho e reconhecimento
    Grande abraço.

  10. 76 Brasileiro está a um passo de se tornar o melhor professor dos Estados Unidos | Livros só mudam pessoas 18/01/2013 17:00

    […] Brasileiro está a um passo de se tornar o melhor professor dos Estados Unidos Chris Delboni, no Direto de Miami […]

  11. 75 Marcia Schubert 18/01/2013 13:51

    Parabens por essa conquista tao maravilhosa e nunca se afaste dessa luta!

  12. 74 adel nunes 18/01/2013 10:40

    parabens ,professor. continue sempre assim. espero que a globo com certos governadores parem de criticar os nossos tao explorados e humilhados professores,principalmente pela nossa globo e seus pedagogos. uma coisa é elaborar e outra é executar. isso a globo nao aprendeu,nemgtampoucio seus afilhados. ah,sim,onde foi parar o educaçao solidária que a globo mantinha para os adultos se alfabetizartem?

  13. 73 Paulo Cesar 18/01/2013 10:16

    Ser professor é uma honra, um privilégio reconhecido no mundo inteiro. Eu disse no mundo inteiro? Me perdoem, no Brasil, a sociedade como um todo não reconhece isto. Parabéns professor Alexandre, Que Deus o abençoe. Continue o bom trabalho.

  14. 72 Rosângela 18/01/2013 9:58

    Parabéns!!!! Sr. Alexandre Lopes, que cada vez mais voce seja reconhecidos pelos seu trabalho e méritos. Porque para ser escolhido num pais com tantos imigrantes e preconceitos, e ainda ganhar dos próprios Professores nativos, você já um grande vencedor, e concerteza servivá de grande incentivo para muitos Brasileiros e outros imigrantes Latinos. Que Deus esteja na sua vida te dando o melhor. Sucessos

  15. 71 JOÃO BOSCO SOARES DOS SANTOS 18/01/2013 9:56

    QUER PODE E VENCE TODAS AS LUTAS. APLAUSOS PARA ESTE BRASILEIRO OUSADO.

  16. 70 Prof. Dr. Claudio Picollo PUCSP 18/01/2013 9:33

    Dearest Alexandre,

    Gostaria de parabenizá-lo pelo título que tão nobremente recebeu. Aí há titulos que reconhecem aqueles que, como você, conseguem fazer uma Educação Inclusiva dentro de um mundo cheio de preconceitos, tragédias, individualismo e egoismo. Se você vier ao Brasil, teria o máximo prazer de organizar uma palestra na PUCSP junto ao GEPI – Grupo de Estudo e Pesquisa em Interdisciplinaridade e o Departamento de Inglês. Gostaria também de entrevistá-lo no Programa Pensar e Fazer Arte, gravado na TV PUC e transmitido pelo Canal Universitário.
    Algumas dessas entrevistas podem ser vistas acessando YOUTUBE – Pensar e Fazer Arte.
    Sei o esforço que sua imaculada atitude requer. Deos o abençoe hoje e sempre. Prof. Dr. Claudio Picollo

  17. 69 Guilherme 18/01/2013 9:32

    Essa materia deveria ser a manchete do portal.
    Parabens ao Professor Alexandre, que possamos nos inspirar no seu exemplo.

  18. 68 Siraldo José dos Santos 18/01/2013 8:38

    Parabéns Professor, que todas as pessoas inteligentes, igual a você, a use para o bem comum. Que DEUS ilumine sempre o teu caminho…

  19. 67 Marcone 18/01/2013 6:14

    Parabéns .Enquanto isso no Brasil , professores apanham dos alunos e ainda tem que fazer malabarismos para ganhar um dinheirinho manterem-se dentro de um nível razoável de sobrevivência,ou seja, um pouco acima da linha de pobreza.

  20. 66 fernando/salvador 18/01/2013 0:28

    muito bem! Dr. Alexandre Lopes.
    isso é que precisamos, devemos ser excelente no que fazemos, não importa o lugar.
    estamos em um unico planeta. espero que o “efeito borboleta” seja atingido aqui na terra dos tupiniquins. merecido reconhecimento e não pare por aí.

  21. 65 SINOMAR MARIANO 17/01/2013 23:16

    PARABÉNS!!!! ENQUANTO ISSO AQUI NO DF AGNULO E SUA TRUPE INSTITUEM UM ” SISTEMA DE CICLOS”. NO QUAL O PRIMEIRO MANDAMENTO É QUE NENHUM ALUNO PODE SER REPROVADO. É ISSO QUE ESTAMOS ENSINANDO PARA NOSSAS CRIANÇAS E JOVENS. QUE SEU ESFORÇO PARA SER O NÚMERO UM NÃO COMPENSA, POIS NO FINAL TODOS SERÃO IGUAIS, DEMOCRACIA ÀS AVESSAS. É ASSIM QUE SE TIRA A CHANCE DE UMA NAÇÃO LINDA COMO A NOSSA SER UM DIA REFERÊNCIA MUNDIAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA. HOJE AQUI O PROFESSOR NÃO PODE REPROVAR UM ALUNO, MESMO QUE ELE NÃO TENHA APRENDIDO NADA, BASTA QUE ELE CUMPRA A P@>:# ” DO CICLO”. DENTRE OUTRAS COISAS NOSSOS BONS PROFESSORES ESTÃO REFÉNS DO GOVERNO E DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUE NÃO SABEM O QUE É RESPEITO OU LIMITES E ESSE “SISTEMA DE CICLOS” SÓ VEM A FOMENTAR AINDA MAIS ESSES SENTIMENTOS. ESTAMOS ECONOMIZANDO COM EDUCAÇÃO O QUE TEREMOS QUE GASTAR COM CÂMERAS, SEGURANÇAS, PRESÍDIOS E ETC…. PARABÉNS GDF. PARABÉNS PT……

  22. 64 Marcelo Almeida 17/01/2013 22:30

    Estados Unidos eh o pais das oportunidades, ja o Brasil eh o pais dos oportunistas.
    Aqui no Brasil, provavelmente, o Alexandre seria mais um numa luta ingloria pela educacao e la foi reconhecido pelo governo por um trabalho que aqui ninguem ficaria sabendo.

  23. 63 zé cejames 17/01/2013 21:36

    Este brasileiro sim , merece reconhecimento e nos enche de orgulho. Parabéns professor , isso é ser reconhecido nos Estados Unidos , viu senhor Michel Teló , Luan Santana e afins

  24. 62 JANES ROCHA 17/01/2013 21:20

    Parabéns meu jovem, não por ser inteligente só, mas pelo seu esforço e sua humildade! Um abraço, lendo sobre você, eu confesso que gostaria de ser a sim. Mas Deus nos fez diferente!

  25. 61 JANES ROCHA 17/01/2013 21:15

    Parabéns meu jovem, não per ser inteligente só, mas pelo seu esforço e sua humildade! Um abraço, lendo sobre você, eu confesso que gostaria de ser a sim. Mas Deus nos fez diferente!

  26. 60 observatório ético 17/01/2013 20:36

    profiffional leia-se profissional

  27. 59 observatório ético 17/01/2013 20:33

    Ainda vejo alguns comentários atrasados: “se fosssemos mais valorizados também seria assim aqui no Brasil”. Acho que independente de salário, quando escolhemos ser um profiffional devemos honrar nossa escolha, claro que devemos lutar pelas conquistas. Mas já pararam pra pensar se um médico, por achar seu salário baixo, fizesse apenas metade de um parto e abandonasse a mãe na sala pra ir pra greve? Pensem…

  28. 58 Sebastião Martins de Souza 17/01/2013 18:55

    Congratulations , you”re a such a great Brazilian ” Phenomenon” borned in Brazil and making success in the USA.

  29. 57 RSBorges 17/01/2013 18:33

    Provalvelmente ele não seria reconhecido no Brasil, onde a maioria se contenta em fazer um trabalho mediano (meia-boca) e colocamos a culpa no sistema. Mas num país onde bons professores são a maioria o talento aparece mais fácil. Aqui, se você quer fazer algo melhor, vai ser perseguido e se tornar o ‘estranho no ninho’. Infelizmente, não temos uma cultura de excelência, nos contentamos com produtos chineses e pagamos caro por marcas boas, por que não produzimos coisas boas também. Então viva as exportações, de petróleo, minério, carne e soja, e agora também bons professores que nunca se destacariam aqui.

  30. 56 lucia lora 17/01/2013 18:22

    QUERIDO ALEXANDRE. PARABÉNS ! MAIS UMA ETAPA VENCIDA . VOCÊ MERECE TUDO DE BOM . POIS SEMPRE FOI DEDICADO EM TUDO QUE FAZ.. QUE DEUS TE ABENÇOE E TE ILUMINE SEMPRE.

  31. 55 Fabio de Oliveira Ribeiro 17/01/2013 18:16

    Se ele fosse brasileiro estaria no Brasil cuidando de crianças brasileiras. Para mim este cara é só mais um gringo que se diz brasileiro. Muito provavelmente ele já fala inglês melhor que português.

  32. 54 Adalberto O. Luciano 17/01/2013 18:15

    Concordo, PROFESSOR! O estímulo não vem de fora. Não ponha a culpa nos outros!
    Se queres vencer eis a receita: Eduque-se, informe-se, acredite-se, ame-se, apaixone-se, entregue-se e libere-se.

    Que tenhamos capacidade para assimilar esta lição.

    Muito agradecido, PROFESSOR!

  33. 53 José 17/01/2013 16:55

    Quando o nosso professor é remunerado à altura de sua importância o resultado aparece. E aqui? como estão nossos mestres? será que há ânimo para fazer bem feito? – Vejão lá Sra Dilma e demais governadores e prefeitos.

  34. 52 Lucília Nogueira Caldas 17/01/2013 16:22

    Parabéns Professor Alexandre Lopes. Ainda bem que vocês está em um país que valoriza o educador.

  35. 51 HUMBERTO 17/01/2013 16:05

    Este tipo de notícia a imprensa paulista, não divulga. Se ele fosse um bandido preso nos Estados Unidos, estava em toda capa de jornal, na tv, etc.
    Eta imprensa marrom.
    PARABENS SR. ALEXANDRE LOPES.

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.