Publicidade

Arquivo da Categoria Alimentação

terça-feira, 9 de abril de 2013 Alimentação, Medicina, Miami, Saude | 09:20

Médica brasileira traz modelo pioneiro de Harvard para Miami

Compartilhe: Twitter

Por Chris Delboni | Coluna Direto de Miami @ http://diretodemiami.ig.com.br
Fotos de Carla Guarilha

Filha e neta de farmacêuticos, Debora Duro cresceu em São Jerônimo, no Rio Grande do Sul, rodeada por maletas médicas, agulhas e medicamentos.  Ela se lembra com 4 ou 5 anos de idade andando pelo hospital com seu pai, que levava o sangue que ele tirava dos pacientes na sua farmácia.

“Eu me lembro das pessoas atrás da minha casa batendo na porta, de madrugada, pedindo remédio, pedindo ajuda do que fazer para cada situação que estavam passando, uma dor, uma infecção”, diz Debora.  “Para mim o cheiro do hospital, estar dentro do hospital, me traz paz –  talvez porque eu possa ajudar a tirar aquela agonia que está ali dentro”.

E foi com essa missão que a Dra. Debora Duro chegou nos Estados Unidos em 1997, recém formada em medicina pela PUC de Porto Alegre, a mesma missão que hoje ela traz para Miami, onde acaba de abrir seu novo instituto que vai transformar o conceito da gastroenterologia pediátrica aqui.

Dra. Debora Duro em uma de suas salas de consulta no "iCan". Foto de Carla Guarilha.

Depois de uma vasta experiência em grandes hospitais pediátricos, como o Miami Children’s Hospital e o Boston Children’s Hospital, a gastro-pediatra inaugurou há poucos dias o “iCan” em Weston, no condado de Broward, a cerca de meia hora de Miami.

O nome Institute for Children’s Advanced Nutrition & Gastroenterology – ou Instituto Avançado de Nutrição e Gastroenterologia para Crianças, em português – vem do slogan de campanha do Presidente Barack Obama, “Yes, We Can” (Sim, podemos).

Dra. Debora tem na estante do seu consultório uma foto com Presidente Obama, inspiração para o logo de seu instituto. Foto de Carla Guarilha.

O logo foi uma inspiração da própria Dra. Debora como símbolo de toda sua vida e do que ela quer que seus pacientes acreditem sempre: que podem, sim, melhorar sua condição de saúde, perder peso, se alimentar bem.  O sentimento “eu posso”, diz ela, traz nele uma confiança interna que faz a diferença em qualquer tratamento.

E o “iCan” traz para Miami não só o sentido de que querer é poder mas também uma medicina multidisciplinar que facilita o sucesso do processo médico e recuperação.

É um conceito que a Dra. Debora aprendeu nos seus anos de especialização pós residência no hospital pediátrico da Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard, em Boston, uma das mais respeitadas universidades do mundo.

“O “iCan” é um instituto onde eu quero que várias disciplinas – médico, psicólogo,  nutricionista, enfermeiro e eventualmente até um assistente social – possa ver o paciente no mesmo centro, é uma visita integrada onde exista uma comunicação entre a equipe que está cuidando dessa criança”.

"iCan" é o simbolo do modelo de saúde integrada que a Dra. Debora traz para Miami. Na sala de espera do consultório. Foto de Carla Guarilha.

Seu objetivo é integrar essas disciplinas médicas para poder avaliar o paciente como um todo, levando em conta todos os aspectos do seu bem estar, e assim atender e cuidar desse paciente em um só lugar, na sua clínica, “iCan”, que em 10 meses estará expandindo para Coral Gables.  Até dezembro, Debora não pode atuar no condado de Miami-Dade devido a uma clausula geográfica de contrato com a Universidade de Miami, onde ela criou e dirigiu até meados do ano passado um programa pioneiro no Sul da Florida de reabilitação intestinal avançada.

O programa foi um sucesso mas não tinha espaço para crescer como ela gostaria.  Aí, resolveu sair para construir algo maior.  E por 18 meses não poderia trabalhar dentro de cerca de 25 km da Universidade de Miami.

Mas como tudo em sua vida, os obstáculos foram seus maiores trunfos profissionais.

“Adoro o desafio e competir comigo mesma”, diz.  “Acho que sou minha maior competidora”.

O diploma da Harvard na parede atrás de sua escrivaninha representa apenas uma de muitas conquistas que levaram ao "iCan". Foto de Carla Guarilha.

E assim, cada “não” que a vida lhe deu, ela transformou em um “sim” – “yes, I can”, “sim, eu posso!”.  Cada desafio virou uma oportunidade.

Aos 13 anos, quando todos os colegas seguiam para estudar em Porto Alegre, ela ia para um colégio interno.  Mas foi lá que aprendeu disciplina.  Aos 17, não passou no vestibular, foi estudar francês em Paris e assim que voltou entrou na faculdade de medicina.  Quando se formou e veio para Miami com bolsa de pesquisadora em nutrição pediátrica, não passou de primeira em uma etapa das provas para se credenciar como médica nos Estados Unidos, e isso a levou a um mestrado em nutrição, e foi esse mestrado que lhe abriu as portas para os melhores hospitais para fazer sua residência aqui e as melhores faculdades para uma especialização, como fez na Harvard.  E foi lá que ela ganhou conhecimento e grande “know-how” do modelo multidisciplinar na gastroenterologia pediátrica que hoje traz para Miami.

“Acho que o “iCan” vem disso”, diz ela.  “Uma porta se fecha desse lado, e outras portas se abrem”.

E a cada porta que se abriu, Debora entrou.

Ela fez mestrado em nutrição na Florida International University, onde hoje mantém um de seus cargos acadêmicos, como professora de pediatria clinica da mais nova faculdade de medicina da Flórida que forma sua primeira turma este ano.  E este é um dos muitos títulos ainda ativos em sua carreira, entre tantos outros, como professora da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, onde ela passa alguns dias por mês orientando na gastropediatria, e instrutora de pediatria da Faculdade de Medicina da Harvard, que foi, de fato, onde ela adquiriu os requisitos necessários para criar e implantar em Miami de forma inovadora o “iCan”, seu novo instituto, e ideia incubada dentro dela desde sua adolescência.

Seu grande guia foi — e continua sendo —  sua avó paterna, dona Ceci Duro, hoje falecida.

Dona Ceci, espírita, que faz aniversário no mesmo dia da Debora, em 20 de maio, dizia que sua neta iria um dia construir um “instituto”.

“Minha avó me inspirou tanto na vida.  Era uma pessoa brilhante, presidente de centro espírita no Brasil, uma pessoa iluminada, com muita energia boa para passar para as pessoas”, diz Debora.  “Ela sempre dizia que me via montando um instituto que iria abranger e ajudar muita gente”.

Na entrada do complexo médico em Weston, onde fica o primeiro "iCan" nos Estados Unidos. Em janeiro de 2014, o Instituto deve expandir para Coral Gables, no condado de Miami-Dade. Foto de Carla Guarilha.

Além da avó, sua mentora espiritual, sua grande mentora profissional é a médica brasileira Dra. Themis Reverbel da Silveira, que no inicio deste mês assumiu a direção médica do Hospital da Criança Santo Antônio da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, onde, por mais uma coincidência do destino, Dra. Debora vem fazendo consultoria e formando uma parceria já há algum tempo.

“A vida é inesperada.  Por mais que a gente planeje, está tudo planejado.  Eu nunca pensei muito para onde a vida ia me levar”, diz ela, refletindo sob tantos ciclos que se abriram e se fecharam nos seus 41 anos.  “Mas se perguntar, hoje o ‘iCan’ é um sonho vindo desde a época que minha avó falava do meu futuro instituto.  É como que uma obra de arte.  Com a minha experiência, estou pintando-o, mas não sei como vai ser.  Tenho uma ideia que quero fazer muita coisa boa e poder ajudar muito crianças e adultos desta maneira, mas acho que ele é um sonho até muito maior do que eu”.

No vídeo, Dra. Debora Duro revela o segredo de seu sucesso e deixa uma grande lição de vida:

Dra. Debora Duro revela aqui o segredo de seu sucesso: tolerância, fé e otimismo. “Fracasso não é uma opção”, diz ela. from Chris Delboni on Vimeo.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

terça-feira, 29 de janeiro de 2013 Alimentação, Direto de Miami, Gastronomia, Miami, Restaurantes, Turismo, Viagem | 09:41

Temporada de caranguejo o ano inteiro. Onde comer deliciosos frutos do mar em qualquer época.

Compartilhe: Twitter

Por Chris Delboni | Coluna Direto de Miami (http://diretodemiami.ig.com.br)

Quando se fala de caranguejo em Miami, logo se pensa na tradicional casa em South Beach, Joe’s Stone Crab, que abriu em 1913 e se dá ao luxo de operar apenas sete meses por ano na temporada do crustáceo, que vai de outubro até meados de maio.

Mas um pouco ao norte, em Fort Lauderdale, existe uma outra casa especializada em caranguejo, com a metade da idade do Joe’s, muito mais barata e bem mais rústica, que vale a pena conhecer.  E o melhor de tudo: fica aberta o ano inteiro.

As contrário do Joe’s, que exige manga comprida para os homens e não permite trajes de praia ou shorts, o Rustic Inn, aberto em 1955 à beira de um canal, mantém uma atmosfera informal e simples.

Mas de rústico, só a aparência e o nome, o que deixa todos bem a vontade como numa casa de fazenda, o que torna o local ainda mais aconchegante e receptivo.

O restaurante tem várias salas, um salão de festas e um corredor de mesas à beira d’água, com garçons e garçonetes muito ocupados mas atentos e sorridentes.

A maioria prefere comer os caranguejos com vista para água.

O carro-chefe do cardápio é modestamente chamado de “World Famous Garlic Crab”, caranguejo com alho, anunciado como o mais famoso no mundo.

Só não dá para comer em silêncio.  A casa é barulhenta e fica pior quando uma mesa pede os famosos caranguejos na casca, que precisam ser quebradas através de batidas na mesa com o martelinho de madeira.

A casa oferece também avental para quem pedir o prato.  Mas para quem não tem o espírito de martelar, quebrar e se sujar na hora da refeição, o cardápio apresenta outras opções muito saborosas, ainda que não tão pretensiosamente anunciadas.

A lagosta e o camarão são deliciosos, no ponto perfeito.  Os bolinhos fritos de caranguejo são leves e podem ser pedidos como prato principal ou entrada.  As ostras, fresquíssimas, abertas na hora, são uma boa pedida como aperitivo, e as patas de caranguejo podem ser “queen” ou “king” – grandes ou gigantes.

Lagosta é um dos pratos favoritos do cardápio.

Já para quem prefere um bom prato de massa, nada como um linguini com camarão, lagosta ou mariscos da Nova Zelândia.

De exótico, a casa oferece rã e jacaré à milanesa.

A carta de vinhos é limitada mas tem o básico e os preços são justos.

Vale a pena a pequena viagem! E pode ir de shorts e manga curta.  Ninguém vai lá para ver e ser visto. Mas não custa dar uma olhadinha nas mesas ao lado.  Pode ser que reconheça algum rosto famoso.

O Rustic Inn sempre conquistou uma clientela seleta, desde os velhos tempos com visita de nomes como Marilyn Monroe e até mais recentemente Bette Midler, Barbra Streisand e Johnny Depp, entre muitos outros.

Rustic Inn
Endereço: 4331 Ravenswood Road, Fort Lauderdale, Florida 33312
Fone: 954-584-1637
Aberto: Segunda – sábado 11:30 – 22:45; domingo 12:00 – 21:00 hrs
Para maiores informações, visite http://www.rusticinn.com

Autor: Tags: , , , , , , ,

terça-feira, 15 de janeiro de 2013 Alimentação, Beleza, Direto de Miami, Saude | 10:19

Curitibana em Miami ensina mulheres no Brasil como ficar em forma para o Carnaval

Compartilhe: Twitter

Por Chris Delboni | Coluna Direto de Miami (http://diretodemiami.ig.com.br)
Fotos de Carla Guarilha

A curitibana Bárbara Trevizan chegou em Miami com 22 anos e 80 kg.

Sete anos depois, ela hoje pesa 58 kg e ganhou mais um sobrenome, Eckonen, do marido, fisiculturista com corpo perfeito e um dos sócios de uma grande academia em Pompano Beach.

“Mudei meu estilo de vida.  Sou outra pessoa”, diz Bárbara, que no Brasil não fazia nenhum exercício físico.

Bárbara Trevizan Eckonen, hoje "personal trainer", na sua academia. Foto de Carla Guarilha.

Ela cursava faculdade de física e dava aulas particulares.

“Eu era bastante sedentária e estudava muito”, conta.  “Eu adorava, só que o estilo de vida era completamente diferente do que eu tenho agora”.

Hoje, depois de sua “transformação”, ela tem como objetivo ajudar outras mulheres no Brasil a entrar em forma.

Para isso, Bárbara lançou o blog Fitnistas há um ano, e agora faz periodicamente 30 dias de treinamento virtual: o “Projeto Fitnistas”.

O próximo começa hoje.

Por um mês, ela vai postar vídeos diários de receitas saudáveis, 40 minutos de exercício e outras dicas.  A meta é ficar em forma para o Carnaval.

Bárbara treinando com Troy Eckonen, seu marido e mentor, parceiro de academia e de vida. Foto de Carla Guarilha.

Bárbara hoje atende de 30 a 40 clientes fixos todo mês na academia e ajuda mais de 2 mil mulheres que acompanham os exercícios e dieta diariamente durante o Projeto Fitnistas.

Ela diz que seu maior prazer é ver o resultado e o impacto na vida de suas alunas virtuais, desde grávidas às mais idosas.

“Uma aluna mandou a foto dela treinando com sua avó, fazendo exercício de agachamento, e a vovó com roupa de fitness e meia alta, coisa mais linda”, conta.  “Morro de orgulho, fico muito feliz”.

Bárbara diz que o mais importante numa transformação é disciplina alimentar.

“Pode treinar todos os dias, mas se for para casa e comer errado, não vai ter resultado.  Tem que ter a dedicação fora da academia”.

Bárbara hoje faz 45 minutos de exercício seis dias na semana e mantém uma alimentação saudável.

Hoje é fácil, diz ela.  “Eu amo tudo que eu como”.

Bárbara faz 45 minutos de exercício na academia diariamente. Foto de Carla Guarilha.

Mas nem sempre foi assim.

Logo que chegou na casa do atual marido, teve que aprender a conviver com uma comida sem o tempero que estava acostumada.

“Liguei para minha mãe e falei, ‘ele não tem nem sal nem açúcar na casa, o que eu faço’”?

Bárbara brinca que foi criada a base de “frango com polenta”.  Sua família, de origem italiana, é dona de restaurantes no bairro de Santa Felicidade, em Curitiba.

Ela nunca se interessou pelo ramo culinário, até conhecer Troy Eckonen.

Americano, de Ohio, Troy foi, por muitos anos, chef de cozinha do Morton’s, tradicional steak house nos Estados Unidos, antes de comprar sua primeira academia na Flórida.

Ele começou a frequentar e foi se interessando cada vez mais por exercícios físicos, assim aperfeiçoando sua musculatura e concorrendo em competições de fisiculturismo.

Aos 39 anos, e ainda solteiro, ele conheceu a Bárbara, gordinha na época, e se encantou pelo seu jeito carinhoso — e brasileiro — de ser.  Ela havia trancado a matrícula na faculdade e estava passando seis meses com uma tia aqui.

Bárbara e Troy, na academia. Foto de Carla Guarilha.

A historia deles parece um filme romântico de Hollywood.

Bárbara procurava uma padaria, que ficava em frente a academia do Troy, quando ele a viu – e a descobriu.  Como ela não falava inglês, ele correu dentro da academia e pediu que um brasileiro saísse para ajudar na tradução.  Convidou-a para frequentar sua academia.  Ela disse que não tinha interesse, mas se tivesse trabalho, ficaria.  Pouco tempo depois, ele ligou e disse que precisava de uma recepcionista.  Mesmo sem falar inglês, ele a contratou, e aos poucos, foi treinando-a no trabalho e cativando seu interesse na forma física — e mais tarde, por ele.

Um tempo depois, sua tia resolveu voltar para Curitiba e ele tinha um quarto vazio em sua casa.  Ainda só como amigos, ela se mudou para lá.

E foi na casa de Troy que começou de fato sua transformação completa – física, mental e espiritual – e radical.  Por falta de opção, ela trocou o sal por ervas na comida, o arroz branco pelo integral e cortou o açúcar completamente.

Recém chegada do Brasil, como não tinha amigos ainda na Flórida, ela ficava lendo seus livros de física no quarto quando Troy batia na porta para convidá-la para jantar fora ou ir andar de bicicleta.

Isso durou um tempo até que a amizade virou namoro e casamento.

“Eu sempre falo que ele é meu anjo e ele fala que sou o anjo dele.  E não foi nada planejado, totalmente destino”, diz hoje a “personal trainer” que nunca deixou de estudar.

“Continuo estudando aqui, mas não mais física.  Hoje é educação física”, brinca.  “O blog começou justamente para traduzir tudo que eu aprendo aqui, tudo que eu faço”.

Para participar do Projeto Fitnistas, visite o site: Fitnistas.com.

No vídeo, Barbara revela o segredo de sua transformação.

Projeto Fitnistas começou hoje: Como ficar em forma para o Carnaval. from Chris Delboni on Vimeo.

Autor: Tags: , , , , , ,

terça-feira, 8 de janeiro de 2013 Alimentação, Direto de Miami, Gastronomia, Miami, Restaurantes, Shopping | 10:16

Badalada brasserie em luxuoso shopping em Miami passa a servir feijoada para agradar brasileiros

Compartilhe: Twitter

Por Chris Delboni | Coluna Direto de Miami (http://diretodemiami.ig.com.br)
Fotos de Carla Guarilha

Shopping Bal Harbour em Miami. Foto de Carla Guarilha.

O Bal Harbour é passagem obrigatória para quem vem a Miami, ainda mais na época das festas de fim de ano. Não tem quem não passe por lá e, no meio das compras, não pare para almoçar, tomar um drink ou jantar no luxuoso shopping das grifes, como é conhecido e merecidamente reconhecido mundialmente.

Tartar de tuna

E agora, mais uma razão para visitar, principalmente aos sábados. O La Goulue, famoso e badalado restaurante francês, vai acrescentar feijoada ao seu tradicional cardápio, que inclui escargots, steak tartar, um delicioso soufflé de queijos, foie gras e les moules frites, saborosos mariscos acompanhados de batatas fritas, entre muitos outros pratos da culinária francesa.

Parece incompatível – mas Pascal Cohen, sócio-operador do restaurante e presidente e CEO do grupo FoodInvest, um dos principais investidores do La Goulue, diz que essa combinação é perfeita.

Os brasileiros hoje, diz ele, são fundamentais para a economia do sul da Flórida e merecem ser paparicados e tratados com deferência.

“Eles adoram Bal Harbour, adoram o La Goulue e representam uma grande parte da nossa clientela”, afirma Pascal. “É nossa vez de devolver o carinho e oferecer um presente na forma de reconhecimento de sua cultura. Nada melhor do que servir uma feijoada”, diz ele.

Área externa do La Goulue. Foto de Carla Guarilha.

O tradicional prato brasileiro entrará no cardápio dia 19 de janeiro, na hora do almoço. Será servido à la carte. Pascal diz que o preço ainda não foi definido mas garantiu que será compatível com o resto do cardápio, que é bem razoável.

O francês Jean-Pierre Petit, renomado chef do La Goulue, terá o auxilio da chef brasileira Nilza Martins, convidada para orientar a “operação-feijoada”.

Edmond Touboul (esq), Pascal Cohen, Yara Gouveia e chef Jean Pierre Petit. Foto de Carla Guarilha.

Pascal diz que essa iniciativa faz parte de uma estratégia ainda maior do La Goulue, que para ele é mais do que uma brasserie. É um “estilo de vida”, e o brasileiro é o povo que mais se enquadra, diz Pascal.

“Os brasileiros vivem exatamente de acordo com a atmosfera que queremos implementar aqui. Fazem parte da nossa marca “, diz ele. “Qual o melhor lugar para relaxar, aproveitar e comer uma feijoada senão no shopping Bal Harbour, um dos mais luxuosos do mundo?”

O original La Goulue nasceu em Nova York, na Ave. Madison, em 1974, nas mãos de Jean Denoyer. Pouco mais de três décadas depois veio para Bal Harbour mas, em 2009, fechou em NY e estava precisando de uma boa restruturação para sobreviver em Miami. Vivia vazio.

Foi aí que Denoyer procurou Pascal, com 20 anos de experiência mundial no ramo.

Pascal e um sócio, Edmond Touboul, compraram parte do empreendimento e assumiram a operação diária do restaurante, dando nova vida ao La Goulue, que hoje tem uma grande fila de espera, dependendo do horário.

Diz ele que o segredo do sucesso no ramo é muito simples: “qualidade, consistência, bom preço e bons ingredientes”.

“É preciso cuidar todo dia de cada cliente e de cada prato”.

E assim Pascal foi conquistando uma clientela fixa e leal e se apaixonando, cada vez mais, pelo que ele descreve como “estilo e elegância” do brasileiro.

“Para mim é um privilégio poder dizer aos sábados para todos os brasileiros, bem vindos ao La Goulue”.

O grupo FoodInvest tem hoje três investidores brasileiros e a expectativa é de expansão nacional e internacional.

A brasileira Yara Gouveia, corretora de imóveis e empresaria, é hoje um dos sócios-investidores do La Goulue. Com Pascal Cohen. Foto de Carla Guarilha.

Ainda em janeiro, FoodInvest está abrindo um novo restaurante francês, Doré, no hotel The Ritz-Carlton, em South Beach, e vem muito mais por aí em 2013.

“FoodInvest agora é um grupo franco-brasileiro”, diz Pascal. “Estamos operando em grandes centros e já começamos a adquirir vários outros locais importantes. A estratégia é se tornar um dos maiores grupos de investimento no ramo de gastronomia do sul da Flórida”.

La Goulue – Bal Harbour Shops
9700 Collins Avenue, Bal Harbour, Florida 33154
Tel: 305-865-2181
Aberto: Segunda-domingo 11:30 – 23:00 hrs, aos domingos fecha às 22:00
Para maiores informações, visite o site http://lagouluebalharbour.com

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 31 de julho de 2012 Alimentação, Comida, Direto de Miami, Gastronomia, Miami, Restaurantes, Turismo, Viagem | 10:16

Direto de Miami recomenda: hambúrguer para quem tem bom paladar.

Compartilhe: Twitter

Por Chris Delboni | Coluna Direto de Miami (http://diretodemiami.ig.com.br)

O hambúrguer é para o americano o que a macarronada é para o italiano — um prato típico e aparentemente simples mas que requer um enorme nível de atenção e perfeição: ponto certo, textura, qualidade da carne, tempero e temperatura do fogo.

Burger & Beer Joint. Foto de Carla Guarilha.

As duas dicas abaixo trazem todos esses fatores juntos em perfeita sintonia, o que torna esses hambúrgueres os melhores de Miami.

O Burger & Beer Joint é tipicamente uma “casa” de hambúrguer e cervejaria e o J&G Grill um badalado restaurante num dos hotéis mais chics da cidade, que, surpreendentemente, serve um hambúrguer magistral.

Vale a pena conferir.

Hoje com duas casas, uma em South Beach e outra na região financeira da Brickell, o Burger & Beer Joint atende a todos os gostos e bolsos.

As duas cozinhas do B&B, como o estabelecimento é carinhosamente conhecido, soltam, em média, entre 800 e 900 hambúrgueres por dia.

B&B - hambúrguer com quase tudo.

Tem mais de uma dúzia de tipos, desde o mais simples de carne e queijo, por US$10, ao vegetariano “Dear Prudence”, ou “Prezada Prudência”, de cogumelo Portobello, pimentão e mozzarella fresca, por US$12, ao “Stairway to Heaven”, ou “Escada para o Céu”, de gado Wagyu, criado em condições especialíssimas para oferecer uma das carnes mais nobres e macias do mundo, com foie gras e trufas pretas, por US$32.

O prato mais famoso da casa custa US$125 e chama-se “The Motherburger”. É um sanduíche gigante de gado Angus, de 4,5 kg, que pode servir a mesa toda – mas se alguém aceitar o desafio e comê-lo sozinho, em duas horas, ele sai de graça.

B&B em South Beach.

O restaurante, apesar de muito badalado, tem um ambiente descontraído, parecendo mais uma “crab house”, aqueles restaurantes com toalha na mesa e guardanapo de papel onde se come caranguejo.  Mas ao chegar mais perto, você pode perceber que os talheres incluem belíssimas facas para filet mignon.

Essa harmonia do despojado com bom gosto — e sabor — tem feito do B&B um grande fenômeno em Miami.  Está sempre lotado a qualquer hora do dia e da noite.

Já para quem prefere o simples em um ambiente bem mais sofisticado, a melhor opção é o hambúrguer do restaurante J&G Grill, que fica no novo e badalado hotel e residência de Miami, o St. Regis Resort, em Bal Harbour, em frente ao famoso shopping das maiores grifes internacionais.

J&G Grill no St. Regis. Cortesia.

Jean-Georges Vongerichten. Cortesia.

Possivelmente, este seria o último prato que alguém pediria no restaurante do famoso chef francês Jean-Georges Vongerichten, considerado uma “lenda viva” pela revista Bon Appétit.  Mas vale a experiência.  A combinação que Richard Gras, seu “chef de cuisine”, criou, de Wagyu com queijo Brie derretido e um molho de trufas pretas, é imbatível.  O acompanhamento são maravilhosas batatas fritas com ervas e alho, surpreendentemente leves, no paladar, no estômago e no bolso:  o prato sai por US$19.

Gras prepara, em média, 30 hambúrgueres por dia no J&G Grill. Foto de Carla Guarilha.

Gras diz que a maioria dos clientes hoje no restaurante são brasileiros e a carne está sempre entre os mais pedidos.  Ele conta que tem seu próprio açougueiro na cozinha e recebe Wagyu de três regiões: uma fazenda especializada na Austrália, outra na Califórnia e uma na Flórida.

“Temos muito orgulho dos nossos produtos”, diz Gras.  “As melhores coisas da vida são simples.  O segredo é fazê-las bem feitas, com perfeição”.

E é com essa mesma perfeição e simplicidade, que ele prepara também um tradicional filet mignon ou uma lagosta, outros dois pratos favoritos do cardápio do sofisticado J&G Grill, que vem fazendo enorme sucesso desde que abriu no início do ano.

Jordi Valles, chef executivo de todos os restaurantes do St. Regis (esq.), e Richard Gras, “Chef de Cuisine” do J&G Grill, mostram com orgulho a cozinha ao Direto de Miami. Foto de Carla Guarilha.

Box:

Burger & Beer Joint

South Beach
1766 Bay Road
Miami Beach, FL 33139
(305) 672-3287

Mary Brickell Village
900 South Miami Ave. Suite 130
Miami, FL 33130
(305) 523-2244

Para maiores informações e horário de funcionamento, visite http://burgernbeerjoint.com/.

J&G Grill – St. Regis Bal Harbour Resort
9703 Collins Avenue, Bal Harbour, FL 33154
Telefone para reserva: 305-993-0436
Para maiores informações e horário de funcionamento, visite http://www.jggrillmiami.com.

Autor: Tags: , , , , ,