Publicidade

Arquivo da Categoria Esporte

terça-feira, 4 de setembro de 2012 Direto de Miami, Diversão, Esporte, Miami | 09:33

Rei do café surfa nos negócios e na vida

Compartilhe: Twitter

Por Chris Delboni | Coluna Direto de Miami (http://diretodemiami.ig.com.br)
Fotos de Carla Guarilha

Christian Wolthers, apesar do nome, é brasileiro. Mais precisamente de Santos, no litoral de São Paulo. E, como muitos que moram perto de praia, começou a surfar ainda garoto, com apenas 9 anos.

Hoje, com 53, Christian mora no sul da Flórida, onde abriu recentemente sua primeira loja de pranchas de surfe e Stand Up Paddles, o surfe a remo, uma modalidade do esporte aquático que vem crescendo rapidamente aqui, no Brasil e no mundo.

Christian Wolthers na sua loja em Fort Lauderdale. Fotos de Carla Guarilha.

O que atualmente é um negócio sério e consolidado, começou como uma brincadeira.

Apaixonados pelas ondas,  Christian e o irmão mais velho John começaram a fazer e vender pranchas para sustentar o hobby. E foi assim, ainda adolescentes e com incentivo do pai, que a dupla abriu uma pequena fábrica de pranchas de surfe, a “Viking”, apelido que ganharam nas praias  por conta do tipo físico e do seriado que passava na TV na época.

John, esq., e Christian, dir, com 12 anos. Cortesia.

Mas, a morte do pai em 1978, fez com que  Christian, aos 18 anos, assumisse outro negócio da família: o comércio de café. “Meu pai deixou uma herança, um nome muito forte no café”, diz.

E assim, o empresário das pranchas surfou muito bem no outro ramo também. Ele conhecia o potencial do café brasileiro, mas sabia que o Brasil tinha fama de exportar para os Estados Unidos produto de média qualidade. Estava disposto a enfrentar o desafio e mudar a imagem do café brasileiro no mundo inteiro.

“Foi nadando contra esse estigma que resolvi abrir um escritório nos Estados Unidos”, conta, orgulhoso, que poucos anos depois, o Starbucks estava vendendo em todas suas lojas a linha ‘Brazil Ipanema Bourbon’, da fazenda Ipanema, representada pelos Wolthers.

“Sem dúvida fui o primeiro a trazer cafés especiais para os Estados Unidos”, confirma.

E foi assim que Christian se mudou com a esposa e os filhos para Fort Lauderdale, perto de Miami, nos anos 90. “A Flórida sempre esteve com a gente”, brinca Christian, fazendo referência a praia da Flórida, em Praia Grande, onde surfava na sua infância e juventude.

Já instalado aqui, abriu a Wolthers America, uma importadora de café que trabalha diretamente com a Wolthers & Associates, que opera como corretora do produto no Brasil.

As duas empresas vendem hoje em média quatro milhões de sacas de café por ano e continuam expandindo os negócios com escritórios em outras partes no mundo — sempre tomando decisões, dentro do possível, com olho nos melhores pontos para o surfe.

“Montei escritório de café na Guatemala e abri uma distribuição de pranchas Viking lá. Guatemala talvez seja a onda mais perfeita e desabitada”,  conta, sorridente o surfista.

Ele lembra que até em locais não muito propícios ao surfe, ele sempre deu um jeito de aliar os bons negócios à onda perfeita, ou o mais perto possível disto.

Christian surfando no ano passado na Nicaragua, outro de seus pontos favoritos para surfar. Cortesia.

Christian conta orgulhoso que aos 21 anos foi a primeira pessoa a surfar na Dinamarca, isto com uma prancha feita com um ralador de queijo em cima de um arbusto.  Ele diz que não resistiu a visão de enormes ondas geradas por uma tempestade que tinha atingido a cidade de praia onde ele e a mulher estavam para ter o primeiro filho do casal, Rasmus.

Hoje, a Viking Surfboards produz em séries de até 50 pranchas, tem mais de 150 modelos seus exclusivos e vende anualmente cerca de 2.500 pranchas de vários tipos e tamanhos, entre elas a SUP – Stand Up Paddles, que está entre as mais procuradas e dá o nome a sua nova loja: Vikings Surf’s SUP, um trocadilho com a gíria em inglês, “surf’s up”, algo como, “E ai, surfando bem?”.

A SUP, na parede, é uma das modalidades que mais cresce nos Estados Unidos.

Christian diz que sua identidade como surfista aos poucos está desaparecendo, mas ele tenta não perder nenhuma oportunidade.  No último furacão, Isaac, aproveitou as ondas fortes na praia de Haulover, perto de Miami e esta semana segue de prancha para Orlando para a Surf Expo – uma grande feira de esportes aquáticos, com participação de 12 mil participantes.

“Vamos subir surfando e voltar surfando, se tiver onda”, diz o empresário de café, que aprendeu com os 18 anos de vida que conviveu com seu pai a valorizar sempre o nome da família e nunca trabalhar apenas pelo dinheiro, valores compartilhados pela esposa de 33 anos, companheira do surfe e da vida.

Christian e a esposa Viviane, sua companheira no surfe e na vida.

“Quando você tem paixão pelo que faz, você sempre tem motivação para criar coisas novas”, diz Viviane, enfermeira e acupunturista especializada em medicina oriental.  “Tem que ter sempre um estímulo para uma coisa nova e muita perseverança”.

E assim a família de surfistas cresce com netos e novos negócios.

E eles têm fôlego para muito mais.  Abriram há três anos o Bikkini Barista, um multiplex de três andares em Santos, com café, restaurante, nightclub e casa de shows.

Foi uma ideia de Rasmus para diversificar os negócios da família, que tem como sócio o primo, barista e músico, conhecido nas rodas do entretenimento como Crica.

“O nome é uma fusão das nossas duas raízes: o barista é o café e o biquíni é a brisa do mar e surfe”, diz Christian.

Wolthers mostra, orgulhoso, sua assinatura numa de suas pranchas favoritas.

*No vídeo, Christian fala um pouco sobre sua visão de sucesso, que conquistou graças a sua esposa, conforme se identifica com o relato de Michelle Obama, primeira-dama dos Estados Unidos.

Christian Wolthers, rei do café e do surf brasileiro, revela o segredo do seu sucesso: visão de futuro e amor da família. from Chris Delboni on Vimeo.

Autor: Tags: , , , , ,

segunda-feira, 25 de junho de 2012 Direto de Miami, Esporte, Miami | 10:29

Jovem boxeador Michael Oliveira se prepara para revanche com Popó

Compartilhe: Twitter

Michael Oliveira na sua primeira luta contra Popó. Foto de Jade Matarazzo.

Como muitas crianças, Michael Oliveira chegou a sonhar em ser astronauta.  Mas com três anos, ganhou um par de luvas de boxe e, naquele momento, começou sua carreira.  Sabia, exatamente, o que queria ser quando crescesse.  E hoje não se imagina fazendo outra coisa.

Michael com 3 anos. Cortesia da família.

“Eu sei cozinhar, eu sei limpar”, brinca o boxeador, aos 22 anos, que também adora motores e diz, rindo, que poderia ser até  mecânico.  “Acho que tenho talento para ser o que for mas não vou estar contente fazendo qualquer outra coisa”.

Michael lutou profissionalmente, pela primeira vez,  aos 18 anos.

Desde então, venceu 17 lutas e perdeu uma, no início do mês no Uruguai, para  Acelino “Popó” Freitas, 36 anos e campeão mundial quatro vezes, que acaba de aceitar a revanche, prevista para novembro, no ginásio do Ibirapuera, em São Paulo.

“Aprendi que na vida, quando você cai, não quer dizer que você é um perdedor”, diz Michael.  “Mas se você levanta, quer dizer que você é um vencedor”.

Em seu quarto em Miami. Foto de Carla Guarilha.

E é com esse espírito que o boxeador está chegando em São Paulo para uma coletiva de imprensa, marcada para sexta-feira no Hotel Fasano e para finalizar as negociações de patrocínio com a Everlast, grande empresa de equipamentos, roupas e acessórios esportivos, que está lançando também uma linha de óculos Michael Oliveira.

Michael retorna em seguida para Miami, onde vai entrar em uma maratona de treinamento mais intenso nos próximos quatro meses.

Sua grande inspiração foi seu avô paterno, João Pedro, com quem assistia lutas de boxe quando era criança. O avô, que nunca chegou a lutar profissionalmente,  treinou com o campeão mundial Éder Jofre, um dos ídolos do jovem boxeador.

“Ele me inspira muito”, diz Michael sobre o pugilista, que se tornou um amigo da família.

Mas é do avô, que faleceu há 5 anos, que ele fala com enorme carinho, adoração e saudade.

“Eu acho que ele, às vezes, entra no meu corpo, me ajuda, me dá força”, diz o neto.  “É por isso que está dando tudo certo”.

Mas nem sempre foi assim.  Com 13 anos, Michael pesava mais de 100 quilos.

“Quando ia para a escola, as crianças me empurravam, derrubavam meus livros”, conta.  “Mas eu sempre fui forte.  Sempre tive personalidade e nunca me importei com o que as pessoas pensavam.  Quando eu quero uma coisa, eu luto até o final para conseguir”.

Para emagrecer, passou a frequentar uma academia de boxe. Mas só ficava na pratica.  Ele pedia para os pais deixá-lo lutar, mas eles sempre empurravam para o ano seguinte.

Até que com 17 anos, Michael teve sua primeira experiência em uma luta amadora, e em seguida outra, ambas vencidas por nocaute.

Daí em diante, o sucesso vem chegando rapidamente.

O pai Carlos Oliveira com Michael. Foto de Jade Matarazzo.

Michael, que já conquistou o cinturão latino-americano do Conselho Mundial de Boxe dos pesos médios, espera lutar pelo titulo mundial até o final de 2013.

O mexicano Julio Cesar Chávez Jr. é hoje um dos principais concorrentes do “Rocky Brasileiro”, como Michael foi apelidado em homenagem ao campeão mundial Rocky Marciano.

Mas sua maior identificação ainda é com o Brasil, diz o boxeador, que tem tripla cidadania: brasileira, americana e grega, pelo lado materno.

“Mesmo que as pessoas falem que não sou brasileiro, vou continuar forte representando o Brasil”, diz Michael, que chegou à Flórida com os pais em 1990, quando tinha apenas 15 dias.

Com a mãe Christina Degreas. Foto de Jade Matarazzo.

O avô materno, Nicolas Michael Degreas, que morreu há 12 anos, tinha sido sequestrado, e por questões de segurança, a família – dona da empresa paulista Beira Mar Beachwear, de trajes de banho – resolveu se mudar para Miami, onde hoje o boxeador mora com a mãe, Christina Degreas, os irmãos, Nicolas, 21, e Henrique, 18, e o pai, Carlos Oliveira, seu empresário e a pessoa que mais confia na vida – seu maior ídolo.

“Meu pai sempre me falou, ‘fecha os olhos e quando eu falar para pular do abismo, você pula, por que você pode ter certeza de que não vou querer machucá-lo nunca”, diz o boxeador, emocionado.  “Isso é muito importante”.

Christina diz, rindo, que além dos seus três filhos e marido, a família também tem outros integrantes: seis cachorros, dois macacos, duas araras e dois gatos.

Michael com Mia, sua cachorra de 2 anos. Foto de Carla Guarilha.

Com seus Lêmures na sua casa em Miami. Foto de Carla Guarilha.

“O boxe é só o começo que vai abrir muitas oportunidades para mim mais à frente, e com essas oportunidades, eu posso fazer infinitas coisas”, diz o pugilista que tem como meta de vida ajudar crianças no Brasil e, especialmente, crianças que tem o sonho de chegar às olimpíadas, principalmente, praticando boxe.

“Eu quero ajudar as pessoas e não espero nada em troca”, diz Michael, que está fazendo faculdade de fisioterapia na Florida International University e pretende usar essa experiência acadêmica para impulsionar a academia de boxe que a família vai abrir, ainda este ano, em Kendall, perto de onde moram na Flórida.

Foto de Carla Guarilha.

“Nada no mundo é impossível”, diz o rapaz, que um dia sonhou ser astronauta.  “Falam que o céu é o limite.  Não é o limite.  Tem homem andando na lua”.

*No video, Michael Oliveira releva o segredo do seu sucesso e aspirações.

Jovem boxeador Michael Oliveira se prepara para revanche com Popó. from Chris Delboni on Vimeo.

Autor: Tags: , , ,